Texto: Animais de estimação, de Daphne Kich Becker

Animais de estimação.
Você tem algum companheiro em casa? Só quem tem um bichinho dentro de casa é capaz de entender a companhia e o afeto que um animal representa.

Pensei neste assunto ontem enquanto procurava meu carregador de celular, e em cada peça da casa que eu entrava a minha cadela ia comigo. Na parte da manhã quem faz isso comigo é a gata. De manhã é o nosso horário, depois que vou trabalhar ela me esquece e me esnoba até a próxima manhã.
Criada na Estação Experimental, onde bicho era cachorro preso na corrente (tínhamos muitos gatos, mas também eram da rua), fui ter cachorro dentro de casa quando me casei, e ficava muito sozinha, pois meu marido estudava quatro noites. Não que eu não gostasse de animais, mas é diferente quando você divide a sua rotina com um bichinho. Quando você o observa de perto.

Hoje, muitas pessoas ainda não experimentaram este sentimento, e julgam os que o tem. Mas tenho visto cada dia mais pessoas com animais na família e aprendendo a amá-los como integrante da mesma.



Não que eu ache que seja obrigatório ter animais, cada um sabe da sua vida e, inclusive, prefiro que quem não está disposto a amar o bichinho nem o tenha. E amor não significa colocar dentro de casa ou em cima da cama, significa respeitar e dar atenção.

Agora, aqui entre a gente, como existem pessoas sufocando os animais né? A famosa frase de que prefere os animais à pessoas talvez seja porque os animais não falam, não ofendem, não criticam. Acho alguns animais, se pudessem falar diriam: “me deixa ter uma vida de bicho, por favor?”. Além do amor e cuidado, animais, assim como a gente, precisam de vida social, precisam ver a rua, latir, cheirar, rolar, pisar na terra, se sujar...

Ai, e como é bom ter um bichinho. Educar crianças a amar os animais é educar crianças para o respeito, para as diferenças e para o carinho. Ter um amigo bicho para abraçar, aquecer, “estimar”, observar e se divertir é uma terapia incrível, quando respeitosa.
Até semana que vem.